Notícia - Black Friday 2019: tudo que você precisa saber para comprar com segurança
 TechTudo Publicou uma notícia no dia:26/11/19 15:24:19

Black Friday 2019: tudo que você precisa saber para comprar com segurança



Black Friday 2019 acontece na próxima sexta-feira (29) com uma infinidade de ofertas tentadoras. No entanto, é preciso ter muita cautela para não agir por impulso e comprar na primeira loja que oferecer produtos com descontos aparentemente imperdíveis. Isso porque, com o aumento do volume de consumidores online, é comum aparecerem promoções com descontos falsos ou mesmo sites maliciosos que roubam os dados financeiros dos usuários.

Para não serem lesados, os consumidores devem se cercar de uma série de cuidados, como verificar a segurança do site, pesquisar a reputação da loja e observar informações sobre preços, frete e devolução de produtos. Pensando nisso, o TechTudo separou oito dicas que você precisa saber para comprar com segurança na Black Friday 2019, marcada para 29 de novembro. Antes disso, porém, é importante conhecer os golpes mais comuns aplicados na data.

Entenda os golpes mais comuns na Black Friday

Golpes e propagandas enganosas são tão comuns durante a sexta-feira de promoções que o evento ganhou o apelido de "Black Fraude". Nesse sentido, um dos maiores motivos de desconfiança entre os consumidores é o chamado preço pela “metade do dobro”, quando uma empresa anuncia desconto de 50% em um produto que teve seu valor duplicado anteriormente. Em outras palavras, a oferta não é real, e o cliente acaba pagando o preço padrão pelo item.

Outro golpe muito comum aplicado na Black Friday aumenta o preço do produto no momento em que este é adicionado ao carrinho virtual. Assim, um item anunciado a R$ 45, por exemplo, pode ter o valor elevado para R$ 60 quando inserido na lista de compras.

Da parte dos criminosos, por sua vez, a fraude mais recorrente envolve campanhas de phishing. Segundo a empresa de segurança Kaspersky, ataques desse tipo aumentam quatro vezes no período da Black Friday. É comum que golpistas falsifiquem páginas de e-commerces famosos, copiando o layout, catálogo de promoções e canais de atendimento, a fim de roubar dados de cartões de crédito dos clientes. Os links fraudulentos costumam ser enviados a partir de newsletters, mensagens SMS e pelas redes sociais, como WhatsApp.

Além disso, durante o evento, alguns criminosos criam lojas de fachadas, com produtos muito baratos e pagamentos apenas por boleto bancário ou transferência bancária. “Nesse momento, o consumidor acha que está aproveitando uma oferta tentadora, realiza a compra, finaliza o pagamento e nunca recebe o produto. No momento em que ele vai reclamar, o site não existe mais”, explica Tom Canabarro, fundador da Konduto, empresa de antifraude para lojas online.

De acordo com um estudo feito pela Konduto, durante a Black Friday 2018, os segmentos de produtos com maiores índices de tentativa de fraude foram Eletroeletrônicos (11,21%), Casa/Decoração (2,89%), Esporte/Lazer (2,80%), Autopeças (1,93%) e Turismo (1,89%). O levantamento ainda mostrou que 1,43% das compras feitas entre os dias 22 (quinta) e 25 de novembro (domingo) no último ano foram realizadas com cartões de crédito clonados.

Para evitar cair em golpes, é preciso, por exemplo, ficar atento às informações da loja, para garantir que é uma empresa segura, e acompanhar os preços, para ter certeza de que uma oferta é verdadeira. Pensando nisso, o TechTudo preparou uma lista com tudo que você precisa saber para comprar em segurança na Black Friday. Assim, você garante os melhores descontos, tem certeza de que o produto vai chegar e não corre o risco de sofrer com golpes e chantagens de criminosos.


1. Monitore os preços com antecedência para ver se a oferta é real

Em primeiro lugar, é preciso fazer uma pesquisa prévia de preços para comprovar se os descontos oferecidos são reais. Segundo levantamento feito pelo Reclame Aqui64,6% dos consumidores brasileiros estão cientes disso e já começaram a apurar os valores cobrados atualmente nas lojas para comparar ofertas e comprar depois. Assim, é possível evitar cair em promoções que, na verdade, estão com o preço "pela metade do dobro". Usar comparadores de preço, como Compare TechTudoZoom e Promobit, por exemplo; adicionar cupons de desconto e instalar a extensão Black Friday de Verdade também estão entre as práticas que ajudam a economizar dinheiro na Black Friday 2019.

2. Verifique a segurança do site

Uma preocupação comum entre as pessoas que compram pela Internet é ter seus dados pessoais e financeiros roubados. Em datas como a Black Friday, em que há grande fluxo de consumidores, é especialmente comum receber links fraudulentos via WhatsApp, SMS e redes sociais, daí a importância de se certificar de que o site é verdadeiro e não faz parte de uma campanha de phishing.

Para verificar se a loja é autêntica, observe primeiramente a URL do site, que deve estar escrita corretamente. Em geral, os criminosos registram o endereço falso com um pequeno ortográfico (submariino.com.br em vez de submarino.com.br, por exemplo), nem sempre perceptível à primeira vista e a olhares mais desatentos.

Em caso de dúvidas, acesse o site digitando a URL diretamente na barra de endereços. Em seguida, procure pelo ícone de cadeado acompanhado da sigla “HTTPS” na barra de endereços. “HTTPS” significa Hyper Text Transfer Protocol Secure. Isso indica que as comunicações entre o site e seu computador ou celular são criptografadas, o que aumenta a segurança dos dados. Preste atenção se o “HTTPS” está presente também na página de check-out. Caso contrário, não insira suas informações pessoais e financeiras.

3. Consulte o CNPJ da loja no site da Receita Federal

Receita Federal permite consultar online a situação cadastral de qualquer CNPJ. Basta acessar o site e pesquisar o CNPJ da loja de seu interesse. Caso a situação cadastral do e-commerce esteja cancelada ou inativa, não compre, mesmo que a oferta aparente ser muito vantajosa. Aproveite e verifique também quais serviços a empresa está autorizada a prestar.

4. Confira a lista negra do Procon

Outra maneira de verificar a confiabilidade de uma loja online e fugir da famosa "Black Fraude" é consultando a lista de sites suspeitos do Procon-SP. As lojas incluídas na listagem foram notificadas pelo órgão devido a reclamações de consumidores. Ao acessar o documento (sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite/list/evitesites.php), tecle Ctrl+F no teclado para abrir a caixa de pesquisa e digite o nome da loja para ver se ela integra a relação. Outra forma de fazer essa verificação é instalar a extensão Canbuy, que usa a base de dados do Procon-SP para informar se o site visitado é seguro.

5. Pesquise a reputação da loja no Reclame Aqui e Consumidor.gov.br

Antes de comprar, é importante também verificar como a empresa foi avaliada no Reclame Aqui. O site registra reclamações de consumidores e permite acompanhar as respostas da loja às queixas. Busque pelo nome e analise as notas e observações sobre o e-commerce. As experiências de outros compradores certamente ajudarão a perceber se o site é confiável ou não.

Outra ferramenta para fugir de ciladas na Black Friday é o Consumidor.gov.br, plataforma criada pelo Governo Federal para auxiliar consumidores a resolver problemas com compras em lojas físicas e online. Procure a empresa pelo nome e analise os relatos de outros clientes, além de informações como índice de solução e satisfação com o atendimento.

6. Observe as informações sobre preços, frete e devolução

A informação sobre o preço de um produto deve ser apresentada de forma clara, sem que o consumidor precise procurá-la pelo site e sem que o valor determinado gere dúvidas. O Procon-RJ ressalta que a loja virtual precisa sempre indicar o preço à vista e a prazo (se houver essa opção), bem como o número de prestações. O consumidor deve ainda ser informado sobre taxas de juros, seguro, frete e demais encargos ou acréscimos, além do valor total a ser pago no caso de financiamento.

Também é importante ressaltar que, de acordo com a Lei do E-Commerce (7.962/13), toda loja precisa incluir informações sobre política de trocas e devoluções. Como a compra é a distância, muitas vezes o consumidor se decepciona com a qualidade do produto ou percebe que o item recebido não atende às suas necessidades. Nesses casos, é importante que o comprador saiba que instruções seguir.

Geralmente as lojas concentram a política de trocas e devoluções em um único link, mas ela também pode constar na página de descrição do produto. Procure por essas informações e, caso não as encontre, não confie no site.

7. Guarde prints de tela das páginas

O Procon-RJ orienta os consumidores a capturar as telas de todas as comunicações eventualmente feitas com o site e guardar imagens de newsletters e outras publicidades que ofertam o produto, bem como de e-mails com confirmação de pedido e pagamento. É uma garantia caso seja necessário reclamar de uma promoção que não foi cumprida ou de outros problemas com a loja. Após a compra, lembre-se também de exigir notas fiscais e comprovantes de entrega.

8. Aproveite o direito de arrependimento

De acordo com o artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor, no caso de compras pela Internet, por telefone, por venda de porta em porta ou por catálogo, o prazo para desistência é de sete dias, contados a partir da aquisição do produto ou do recebimento. Caso o comprador perceba que fez um mau negócio, se desaponte com a qualidade da mercadoria ou mesmo encontre uma oferta melhor, ele pode evocar o direito de arrependimento para devolver o produto e receber o dinheiro de volta. Vale ressaltar que não é preciso apresentar qualquer motivo para cancelar a compra.