Notícia - No que consiste o Transtorno de Jogo pela Internet?
 A Mente é Maravilhosa Publicou uma notícia no dia:09/07/18 14:52:03

No que consiste o Transtorno de Jogo pela Internet?



As demandas de tratamento de adolescentes com problemas relacionados ao uso da internet aumentaram significativamente. Assim, não é incomum encontrar jovens com o Transtorno de Jogo pela Internet em clínicas de psicologia.

Os jovens utilizam a internet para acessar uma grande variedade de conteúdos através de múltiplos dispositivos. As principais finalidades são se relacionar, se divertir ou aprender. No entanto, nos últimos anos tornou-se evidente que o uso inadequado ou o excesso de internet pode ter consequências negativas. Estamos falando de repercussões nas funções da vida cotidiana, nos relacionamentos familiares e na estabilidade emocional.

O Transtorno de Jogo pela Internet, um verdadeiro distúrbio?

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) afirma que o vício em internet não tem entidade suficiente para ser catalogado como um transtorno. Entretanto, propõe a existência deste transtorno, indicando que precisa de estudos posteriores (American Psychiatric Association, 2013).

Esta situação motivou diferentes pesquisas. Nelas encontramos evidências suficientes para afirmar que o uso de jogos de forma excessiva ou desmedida pode ter consequências piores ou igualmente negativas às de qualquer outro vício mais conhecido.

Pessoa viciada em jogos online

Como esse transtorno é diagnosticado?

A seguir vamos analisar quais critérios diagnósticos são exigidos para a existência do transtorno de acordo com o DSM-5.

Uso persistente e recorrente de internet para participar do jogo, frequentemente com outros jogadores, que provoca uma deterioração ou um mal-estar clinicamente significativo, tal e como indicam 5 (ou mais) dos seguintes em um período de 12 meses:

  • Preocupação com os jogos de internet. O indivíduo pensa em atividades de jogo prévias ou antecipa a próxima partida. A internet se transforma em uma atividade dominante na vida diária da pessoa. Este transtorno é diferente das apostas na internet, que também se incluem dentro do transtorno citado.
  • Aparecem sintomas de abstinência ao cortar o acesso a eles. Estes sintomas são tipicamente descritos como irritabilidade, ansiedade ou tristeza, mas não existem sinais físicos de abstinência farmacológica.
  • Tolerância. Faz referência à necessidade de dedicar cada vez mais tempo em participar de jogos pela internet.
  • Tentativas frustradas de controlar a participação em jogos na internet.
  • Perda de interesse por gostos e entretenimentos anteriores, como resultado de, e com a excessão dos, jogos em questão.
  • O uso excessivo dos jogos é continuado apesar da consciência dos problemas psicossociais associados.
  • A pessoa engana membros de sua família, terapeutas ou outras pessoas em relação à quantidade de tempo que passa jogando na internet.
  • Uso dos jogos para “fugir” ou aliviar um afeto negativo. Por exemplo, sentimentos de desamparo, culpa ou ansiedade.
  • Colocou em perigo ou perdeu alguma relação significativa, trabalho ou oportunidade educativa ou profissional. Isso aconteceu devido a sua participação em jogos online.

Somente se incluem neste transtorno os jogos online que não estão relacionados a apostas. Não se inclui o uso da internet para realizar atividades necessárias para um negócio ou profissão. Muito menos pretende-se que o transtorno inclua outros usos recreativos ou sociais da internet.

O transtorno de jogo pela internet é similar a um vício

O transtorno é um padrão de uso excessivo e prolongado de jogos online. Tem como resultado um grupo de sintomas cognitivos e de comportamento, como a perda progressiva de controle sobre o jogo, a tolerância e os sintomas de abstinência. Estes são análogos aos sintomas de um transtorno por consumo de substâncias.

Assim como nos transtornos relacionados com substâncias, as pessoas com este transtorno continuam sentadas na frente de um computador realizando estas atividades mesmo que estejam descuidando de outras atividades.

Tipicamente, dedicam entre oito e dez horas por dia, pelo menos 30 horas por semana realizando esta atividade. Se houver tentativas de restrição ao uso do computador para que elas não joguem, elas se agitam e ficam alteradas. Frequentemente passam longos períodos de tempo sem comer ou dormir.

Pessoa jogando videogame

Jogos sociais que interferem na vida cotidiana

Outro sintoma é que elas descuidam de suas responsabilidades normais, como a escola, o trabalho ou as obrigações familiares. A característica essencial deste transtorno é uma participação persistente e recorrente em jogos em computadores, tipicamente jogos em grupo, durante muitas horas.

Estes jogos levam a uma competição entre grupos de jogadores (que frequentemente estão em diferentes regiões do mundo) que participam em atividades complexas e estruturadas, que implicam um aspecto significativo de interação social durante o jogo.

Os sentimentos da equipe parecem ser uma motivação chave. Resistem com perseverança às tentativas de reconduzir o indivíduo as suas tarefas escolares ou atividades interpessoais. Desta forma, se descuidam das ocupações familiares, pessoais ou profissionais.

Por outro lado, as pessoas que sofrem disso afirmam que utilizam o computador para “evitar o tédio” em vez de fazerem seu uso para a comunicação ou a busca de informações. Em algumas das pessoas estudadas, encontrou-se uma ativação cerebral desencadeada pela exposição aos jogos em regiões específicas que não se limitam ao sistema de recompensa.

A descrição dos critérios relacionados com este vício foi adaptada de um estudo realizado na China. Devem, ainda, ser determinados empiricamente os critérios e o limiar específico para o diagnóstico. Assim, recomendamos precaução no uso da informação dada neste artigo.

Se você acredita que tem um problema relacionado com os jogos pela internet, o melhor que pode fazer é procurar a ajuda de um psicólogo especializado. Ele poderá ajudar a superar este vício e a fazer com que o impacto dele em sua vida não seja tão grande.

Compartilhar Notícia no Facebook